NASA e ESA lançam orbital que estudará


Solar Orbiter (uma missão conjunta da NASA e da Agência Espacial Europeia/ESA) seguir sua antecessora – mas, dessa vez, enviar à Terra as primeiras imagens dos polos da estrela.

Fevereiro de Cabo Canaveral, na Flórida, às 23h15 (no Brasil, já será 1h do dia 8). A Solar Orbiter vai usar a gravidade de Vênus e da Terra para, em um movimento de estilingue, sair do plano da órbita dos planetas, alinhado ao equador do Sol.

Participantes da missão, o astrofísico da NASA Russell Howard. Seu colega, o cientista da ESA Daniel Müller, completa: "Estaremos em terreno desconhecido. Isso é, em essência, ciência exploratória.

Plutão, lançando para fora do sistema planetário partículas solares carregadas. Conhecidas como vento solar, são responsáveis por interferir em satélites em órbita da Terra e até mesmo ameaçar a vida de astronautas na Estação Espacial Internacional (ISS).

NASA, Holly Gilbert, a missão "vai ajudar a desenvolvermos um modelo preciso do campo magnético do Sol e, com isso, prever eventos climáticos com mais rigor. Sabemos, por exemplo, que a quantidade de manchas solares, responsáveis pelo vento solar, aumenta e diminui em ciclos de onze anos, mas não o porquê."

Em 1990. Quatro anos depois, ela alcançou o polo sul do Sol e enviou à NASA e à ESA informações até 2009, quando, com os sistemas de comunicação falhando e quase sem energia, deixou de fazer contato em 30 de junho de 2009.Agora,é a vez de a Solar Orbiter continuar o seu trabalho.

Postar um comentário

0 Comentários